Edicões Gambiarra Profana/Folha Cultural Pataxó

Seguidores

terça-feira, 28 de setembro de 2010

JANELA


JANELA

Janela pro mar
Interior de solidão
Aperto no coração

6 comentários:

  1. Adoro o mar...

    O cheiro
    O som das ondas
    O movimento da maré
    vão transformando a solidão
    em solidã...solid...soli...
    até restar apenas sol
    no interior na janela...

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Um pedido:

    Vc poderia retirar a verificação de palavras do comentário?
    Nós que comentamos pouparíamos um bom tempo...

    Obrigada!

    ResponderExcluir
  3. Essa visão do mar e seus rochedos aumenta o aperto no coração.

    Beijinho.

    Álly.

    ResponderExcluir
  4. Oi, td bem? Tem um presentinho te esperando lá no meu blog. http://doce-meio-amargo.blogspot.com/

    Espero que goste!

    Bjos

    Nina

    ResponderExcluir
  5. A imensidão, a profundidade e o mistério, nos faz pequenos, distantes e nos assustam..
    Lindo poema, adorei!
    Parabéns, e tudo de bom!
    Arnoldo, gostaria de indicar um blog, é um conto de um amigo.
    Quando puder e desejar visitar será uma honra.


    http://casadogramado.blogspot.com/

    Sempre grata ás suas visitas, comentários e carinho.

    Beijos.

    Marion

    ResponderExcluir
  6. Bonito... às vezes nosso coração fica assim como o mar... solitário, triste... Adorei!
    Muitos beijos,
    *Simone*

    ResponderExcluir