Edicões Gambiarra Profana/Folha Cultural Pataxó

Seguidores

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

ALASCA

Por mais que Alasca
Ame o sol
Nunca terá seu calor
Por inteiro
Apenas por leves momentos
Pois tem sempre um vento
Que o afasta dali

Arnoldo Pimentel

27 comentários:

  1. Muito bom. É possível fazer analogias com várias coisas da vida;inclusive a própria vida.
    Abraços, poeta!

    ResponderExcluir
  2. Meu querido amigo, aqui em Portugal uma lasca pode ser muitas coisas, assim fico sem saber a qual delas devo comentar, mas no tom do poema me parece que deve de ser uma mulher muito boa lol.
    De qualquer modo não leve a mal eu só queria dar um pouco de humor. Mas adorei o que li pois gosto muito como já lhe disse um dia todos os
    seus blogues, mas da-me sempre jeito vir a este.
    Beijinhos de luz e muita paz na sua vida...

    ResponderExcluir
  3. Olá Meu Querido...

    Excelente... Parabéns pela construção!

    Grande beijo no coração!
    Lecy'ns

    ResponderExcluir
  4. Meio que como o amor,,,a gente tem que se contentar com os pequenos momentos...muito profundo...abraços de bom final de semana pra ti meu amigo...

    ResponderExcluir
  5. Lindos Haikais, adorei te ler, visita meu blog assim q possível, Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Assim é a vida. Há sempre um sopro que leva os momentos aos quais desejamos nos agarrar. Os instantes ensolarados, ainda que curtos, merecem ser apreciados como se eternos fossem.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  7. Um belo sábado pra ti meu amigo...abraços.

    ResponderExcluir
  8. amigo arnoldo,
    ainda assim, imagino que o valor que tributem ao [pouco] sol que ali [a]lasca seja bem superior ao dos que o vivem como dádiva quotidiana.
    abraço!

    ResponderExcluir
  9. E o frio por lá é DE LASCAR!!! abração,chica

    ResponderExcluir
  10. Caro(a) amigo(a)

    Confira depois a entrevista com Marli Franco em http://poetasdemarte.blogspot.com

    Muito obrigado!

    ResponderExcluir
  11. E o torna único e lindo!!!
    Beijocas e bom domingo!

    ResponderExcluir
  12. O Alasca pode não ter o calor mas tem uma beleza muito própria. Como sempre adorei.
    Boa semana
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  13. Arnoldo, tudo bem?
    Grande dádiva esse vento,
    que leva o sol a caminhar devagarinho e se distanciar, para ser pouco sol aquele que poderia transformar tudo em líquido.

    Lindo, Arnoldo!
    Grande beijo e ótima semana!

    ResponderExcluir
  14. Existem pessoas que gostam de viver de migalhas, fazer o que?

    Abraço

    ResponderExcluir
  15. Sou fã dos pequenos poemas e o seu parece um brinquinho daqueles bem bonitinhos!

    Abraços.

    ResponderExcluir
  16. Arnoldo, os ares desses ventos me trouxeram até aqui. Voo contigo a partir desta postagem. Saudações.

    ResponderExcluir
  17. Arnoldo, esse seu sol é como o amor...sempre vem um vento e o afasta de nós. Beijos!

    ResponderExcluir
  18. Meu amigo hoje venho especialmente para agradecer o seu carinho ao ter comemorado comigo o aniversário da minha mãezinha, deixando a sua preciosa mensagem.
    “A glória da amizade não é a mão estendida, nem o sorriso carinhoso, nem mesmo a delícia da companhia. É a inspiração espiritual que vem quando você descobre que alguém acredita e confia em você.” (Ralph Waldo Emerson)
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  19. OLÁ Poeta!!

    As vezes são estes poucos momentos de sol que trazem a felicidade.

    Um beijo..

    ResponderExcluir
  20. Lindo! Adorei seu blog. Te achei lá nos comentarios do Recanto. Um abraço!

    ResponderExcluir
  21. Como eu disse no recanto de entrevista que a Anne Liere fez contigo Arnoldo, sou tua fã! :]
    Lindo e profundo poema caro amigo!

    ResponderExcluir
  22. Um pouquinho de sol que vale mais que o sol do dia inteiro. Seu lindo poema com grande sensibilidade.

    Bjs.

    ResponderExcluir