Edicões Gambiarra Profana/Folha Cultural Pataxó

Seguidores

quinta-feira, 29 de março de 2012

REFLEXO


Se não houve luz no farol
O reflexo do espelho
Terá o mesmo destino do barco
Que está a deriva
Em direção aos recifes

Amigo(a) se ainda não teve a oportunidade de ler minha entrevista no blog da Anne Liere, visite o link abaixo.

http://recantodosautores.blogspot.com/2012/02/recanto-entrevista-arnoldo-pimentel.html

19 comentários:

  1. e salve-se quem 'quiser'... bjuuu poeta.

    ResponderExcluir
  2. Muito bonito.~Já li sua entrevista no Recanto e adorei. Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. Muito bonito, adoro haikai.

    Vou passar por lá pra ler tua entrevista.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Perdido e à deriva...talvez encontre um dia um porto seguro...abraços de bom final de semana.

    ResponderExcluir
  5. Se não há farol, ao menos uma luz qualquer.

    ResponderExcluir
  6. Um belo sábado pra ti amigo...abraços.

    ResponderExcluir
  7. luz!
    e vou lá na entrevista..
    beijos querido..

    ResponderExcluir
  8. Olá bom dia de domingo,vim conhecer
    seu Blog,e agradecer pela visita,adorei
    tudo por aqui voltarei mais vezes
    Abraços com carinho Rita

    ResponderExcluir
  9. Querido amigo Arnoldo,
    Lindo haikai.
    A luz no farol, realmente é necessária. Sem ela, o barco, como nós, iremos de encontro aos recifes de nossa vida.
    Adorei!
    Uma semana com muita paz e luz para você.
    Beijos.
    Maria Paraguassu.

    ResponderExcluir
  10. Meu amigo que a luz do farol nunca se apague, e que ilumine sempre o nosso navegar pela vida.
    Bom domingo e uma semana maravilhosa.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  11. recordaste-me, por instantes, um texto imortal do cesariny, querido amigo:

    "O navio de espelhos
    não navega cavalga

    Seu mar é a floresta
    que lhe serve de nível

    Ao crepúsculo espelha
    sol e lua nos flancos

    Por isso o tempo gosta
    de deitar-se com ele

    Os armadores não amam
    a sua rota clara

    (Vista do movimento
    dir-se-ia que pára)

    Quando chega à cidade
    nenhum cais o abriga

    O seu porão traz nada
    nada leva à partida

    Vozes e ar pesado
    é tudo o que transporta

    (E no mastro espelhado
    uma espécie de porta)

    Seus dez mil capitães
    têm o mesmo rosto

    A mesma cinta escura
    o mesmo grau e posto

    Quando um se revolta
    há dez mil insurrectos

    (Como os olhos da mosca
    reflectem os objectos)

    E quando um deles ala
    o corpo sobre os mastros
    e escruta o mar do fundo

    Toda a nave cavalga
    (como no espaço os astros)

    Do princípio do mundo
    até ao fim do mundo"

    abraço!

    ResponderExcluir
  12. Arnoldo,
    querido e talentoso amigo!
    Nossa, que lindas palavras!

    A luz do farol que conduz nossa embarcação, que nos dá o norte, como sentirmos os reflexos, nossos, de tudo, a fim de que sejamos nosso próprio mapa.

    Beijos e ótimos dias!

    ResponderExcluir
  13. O mesmo acontece nos mares em que navegamos, dia a dia. A luz do farol existe, mas precisamos focá-la de maneira correta. Sábias palavras! Bjs.

    ResponderExcluir
  14. Olá Arnoldo,

    Muito lindo!

    Já tive o prazer de ler a sua entrevista e gostei muito.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  15. Um bom dia pra ti meu amigo...abraços.

    ResponderExcluir
  16. Muito bom

    Barco à deriva
    vai perdendo o seu rumo
    O farol apagou

    Arnoldo já fui lá e não foi à deriva amei saber mais de você na entrevista.
    bjs

    ResponderExcluir
  17. Amei a imagem!
    (gostei muito da entrevista)
    bjs

    ResponderExcluir
  18. Arnoldo,

    Li a entrevista. Adorei a iniciativa da Anne, nos aproxima saber do outro que lemos.

    Beijos,

    Anna Amorim

    ResponderExcluir